A Flauta


O Vento quando em contato com certos elementos produz sons.

Às vezes, o som suave e relaxante do seu contato com as folhas das árvores, às vezes, aquele uivo que amedronta algumas pessoas, mas de qualquer forma, esse é um movimento que faz vibrar freqüências de cura.

A flauta nativo americana (Wayazo ou Siyo Tanka), para muitos dos povos que a utilizam para fins de cura, é um elemento que materializa a voz do espírito trazendo harmonia e cura, tanto para quem as toca quanto para quem as ouve, seu som suave traz uma sensação de paz e proporciona profundo relaxamento e trabalha o realinhamento dos chacras.

Para maiores informações sobre as flautas clique no botão ao lado.

O Tambor ou Chancega


O tambor para os xamãs do povo pele vermelha representa o Cavalo que nos leva para o mundo dos espíritos em busca de visão ou cura.

Com as batidas do tambor podemos reproduzir as batidas do coração dos animais aliados de poder e com isso entrar em um profundo transe em busca de visão ou cura.

Para maiores informações sobre os tambores clique no botão ao lado.

A Huhumila ou Faca de Osso

Conhecendo a Huhumila.

O cabo é a entrada da energia na Roda de Cura, é desse ponto que parte a energia que manifesta todos os outros movimentos.

Vamos observar o que acontece depois que termina o cabo.

Veremos que dos elementos iniciais (couro, madeira e osso)que formam o cabo, permanece apenas o osso, e esse se transforma em outros elementos, que são: o fio, as costas e a ponta da lâmina.

Mas o que seria do fio da lâmina sem as costas da lâmina para sustentá-lo?

O que seria da ponta sem a sustentação dos outros dois elementos?

Como poderia entrar a energia que alimenta esse conjunto sem o cabo?

E, o mais importante, o que une todos esses elementos como se fosse um só?

A resposta é o Grande Mistério. É a Sua vontade que une a teia de tudo o que é!

A energia que entra pelo cabo (Leste) se manifesta de formas diferentes na ponta (Oeste), no fio de corte (Sul) e nas costas da lâmina, o (Norte).

A Luz que vem do Leste nos lembra todos os dias que a presença do Grande Mistério nos tira da escuridão da ignorância e nos faz ver melhor tudo o que Ele nos deu.

Enquanto essa Luz caminha sobre o corpo da nossa Mãe Terra, nos aponta o caminho que devemos trilhar rumo ao Oeste, onde a boa estrada termina e inicia o caminho do espírito.

O fio da lâmina nos lembra o Sul na Roda de Cura. Apesar de cortar, esse movimento também traz renovação, cura e mudança consigo.

Nas costas da lâmina temos o Norte que com seu espírito nos traz a sustentação para que todo o resto se manifeste.

E, por fim temos a bainha que representa nossa Mãe Terra.

Todos os seres que existem neste mundo se formaram e vivem por meio Dela.

Ela gerou e gera os alimentos que sustentam os povos de quatro pés,os povos alados, nossos irmãos que vivem sob as águas, os povos de escamas e também nossos irmãos o povo que está sempre em pé, desde o início dos tempos.

É dela que emprestamos os materiais que transformamos em nossas casas, e é a fertilidade dela que permite que nossos alimentos brotem e cresçam.

Então, toda vez que a faca de osso é retirada da bainha, representa o renascimento de tudo o que existe, porque nos lembra que tudo, um dia, brotou de nossa Mãe, a Terra, e vive e tem forma segundo a vontade do Grande Mistério.

E quando Ela retorna, nos lembra que, depois de cumprir seu ciclo de vida, tudo o que é vivo voltará novamente para o seio da Mãe Terra, terminando assim seu caminho na Roda de Cura e retornando ao Mistério.”

Por isso a faca de osso é de muito mistério.

Para maiores informações clique no botão ao lado.

Site produzido por: Anderson Bertolli